A geração de valor como um fator-chave à sustentabilidade: o caso de uma empresa brasileira

Ana Paula Ferreira Alves, Gabriele Volkmer, Marcio Luis Miron Jappe

Resumo


Lidar com a escassez de recursos naturais, as desigualdades sociais e outros desafios socioambientais faz parte da história da humanidade. A partir da década de 70, o debate sobre as questões socioambientais aumentou, evidenciando um “paradigma da sustentabilidade”, onde as preocupações com o meio ambiente e com a sociedade foram traduzidas em mudanças, a nível cultural, governamental e empresarial. Esse paradigma considera que as questões de sustentabilidade tornaram-se condição sine qua non para que as empresas existam no mercado. No entanto, as diferentes perspectivas têm dado espaço para várias abordagens a serem seguidas, distribuídas entre dois extremos: uma abordagem para “poupar recursos”; e, o outro, uma abordagem para “utilização dos recursos de forma sustentável”. Nesse contexto, esta pesquisa objetiva analisar os resultados da abordagem de “utilização dos recursos de forma sustentável” sobre a geração de valor de uma empresa. Para tanto, dados secundários foram avaliados para investigar o caso da Natura S/A. Os resultados confirmam a premissa que a “utilização dos recursos de forma sustentável” leva ao desenvolvimento de novos processos e produtos, melhorando o desempenho da firma, e, assim, gerando mais valor.


Palavras-chave


paradigma da sustentabilidade; geração de valor das firmas; Natura

Texto completo:

PDF

Referências


ABIHPEC. Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Disponível em . Acesso em 23 jan. 2013.

ABÍLIO, L.C. Parece Perfumaria: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos. Anais do XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Universidade Federal da Bahia (UFBA). Salvador, 2011.

BARBIERI, J. C.; VASCONCELOS, I. F. G.; ANDREASSI, T.; VASCONCELOS, F. C. Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, p.146-154, 2010.

BESSANT, J. Challenges in innovation management. The Internacional Handbook on Innovation, 2003.

CARVALHO, A. P. Gestão Sustentável de Cadeias de Suprimento: análise da indução e implementação de práticas socioambientais por uma empresa brasileira do setor de cosméticos. Tese. Doutorado em Administração. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, 2011.

CARVALHO, A. P.; BARBIERI, J. C. Inovações Socioambientais em Cadeias de Suprimento: um estudo de caso sobre o papel da empresa focal. RAI – Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 1, jan/mar, 2013, p. 232-256.

CASTELLS, M. O Verdejar do Ser: O Movimento Ambientalista. p.141-165, In: CASTELLS, M. O Poder na Identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, A. E.; COSTA, V. C.; VELTER, A. N.; SCHERER, F. L. Práticas Empresariais Sustentáveis: um estudo comparativo das principais indústrias do setor de cosméticos atuantes no Brasil. Anais do XI Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, Fortaleza, 2009.

CECCATO, R. C. O Desenvolvimento de Consultores na Natura S/A. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Administração. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Ijuí, 2012.

CLARO, P. B. O.; CLARO, D. P.; AMÂNCIO, R. Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. Revista de Administração (FEA-USP), São Paulo, v. 43, n. 4, p.289-300, out/dez, 2008.

CONTADOR, J. C.; STAL, E. A estratégia de internacionalização da Natura: Análise pela óptica da vantagem competitiva. Economia Global e Gestão, v.16, n.2, Lisboa, set. 2011.

DIAMOND, J. Collapse: how societies choose to fail or succeed. Viking Penguin: USA, 2005.

DOSI, G. The nature of the innovative process. In: Dosi, G. et al (Eds.). Technical change and economic theory. London: Pinter Publishers, 1988.

DuBOSE, J.; FROST, J.D.; CHAMAEAU, J.A.; VANEGAS, J.A. Sustainable development and technology. In: ELMS, D.; WILKINSIN, D. (Eds.). The Environmentally Educated Engineer. Canterbury: Center for Advanced Engineering, 1995.

EGRI, C. P.; PIENFIELD, L. T. Ser Verde, p.303-304. In: CALDAS, M. et al. (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais, v. 2. São Paulo: Atlas, 2001.

FERRO, A. F. P.; BONACELLI, M. B. M.; ASSAD, A. L. D. Oportunidades tecnológicas e estratégias concorrenciais de gestão ambiental: o uso sustentável da biodiversidade brasileira. Gestão e Produção, v.13, n.3, p.489-501, set/dez, 2006.

FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crises of adjustment: business cycles and investment behavior. In: Dosi, G. et al (Eds.). Technical change and economic theory. London: Pinter Publishers, 1988.

HOPWOOD, B.; MELLOR, M.; O’BRIEN, G. Sustainable Development: Mapping Different Approaches. Sustainable Development, v. 13, p.38-52, 2005.

INSTITUTO NATURA. Programa Crer para Ver. Disponível em . Acesso em 18 jan. 2013.

ISE, Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bolsa de Valores de São Paulo. Disponível em . Acesso em 26 jan. 2013.

KIRON, D.; KRUSCHWITZ, N.; HAANAES, K.; VELKEN, I. S. Sustainability Nears a Tipping Point. MIT Sloan Management Review, v.53, n.2, p.69-74, winter 2012.

MEBRATU, D. Sustainability and Sustainable Development: historical and conceptual review. Environ Impact Asses Review, v. 18, p.493-520, 1998.

NASCIMENTO, P. T. S.; MARX, H. O Sistema de Inovação da Natura. Anais do V Seminários em Administração FEA-USP (SEMEAD). São Paulo, 2001.

NATURA. Relatório Natura, 2011. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2012.

NATURA EKOS. Disponível em: . Acesso em 16 jan. 2013.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas (Série Clássicos da Inovação), 1982, tradução brasileira em 2005.

NORTH, D. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1994.

ORSATO, R. J. Competitive Environmental Strategies: when does it pay to be green? California Management Review, v. 48, n. 2, p.127-143, 2006.

PAVITT, K. Some foundations for a theory of large innovating firm. In: Dosi, G. et al (Eds.). Technology and Enterprise in a Historical Perspective. Oxford, Oxford University Press, 1992.

RIBEIRO, W. C. O Brasil e a Rio+10. Revista do Departamento de Geografia da USP, v. 15, p.37-44, 2002.

SCHUMPETER, J. A. A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Ed. Abril, Col. Os Economistas, 1912, tradução brasileira em 1985.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Fundo da Cultura, 1942, tradução brasileira em 1961.

SILVA, G. A. O Impacto da Utilização de Estratégias de Marketing Social na Consolidação da Marca Natura. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Marketing e Comunicação. Centro Universitário de Belo Horizonte – UNI-BH. Belo Horizonte, 2007.

TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócio focadas na realidade brasileira. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2005.

VILHA, A. M.; QUADROS, R. Gestão da Inovação Sob a Perspectiva do Desenvolvimento Sustentável: lições das estratégias e práticas na indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. RAI – Revista de Administração e Inovação, v. 9, n.3, p.28-52, jul/set, 2012.

WCED, World Commission on Environment and Development. Our Common Future. London: Oxford University Press, 1987.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2015.v2ed11601

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários