Evidenciação de informações socioambientais, teoria da legitimidade e isomorfismo: um estudo com mineradoras brasileiras.

Claudevi Pereira Dias, Raimundo Nonato Lima Filho, Francisco Marton Gleuson Pinheiro, Thiago Bruno de Jesus Silva, Romilson do Carmo Moreira

Resumo


Este estudo teve o objetivo, inicialmente de averiguar a eventual presença de um processo isomórfico entre os relatórios anuais e de sustentabilidade das empresas que exploram a atividade de mineração, analisando até que ponto o volume de evidenciação de informações dessa natureza são semelhantes. Para tanto, utilizou-se do instrumento estabelecido por Sampaio et al. (2012) que contempla quatro grupos de indicadores em consonância com os procedimentos fixados pela Norma Brasileira de Contabilidade T – 15 e outras recomendações dos Institutos Ethos e Ibase, além das diretrizes estabelecidas pelo Global ReportingIniciative (GRI) para elaboração dos relatórios anuais e de sustentabilidade. Foram analisados dez relatórios anuais e de sustentabilidade no período que compreendem dois distintos anos 2009 e 2012. Utilizou-se a média e o desvio padrão como parâmetro para dar sustentação ao tratamento dos dados. Sendo assim comparou-se a evolução das médias de cada grupo de indicadores e analisou-se a diferença de cada variável em relação a média. Os resultados permitiram verificar um aumento no volume de informações socioambientais nos dois períodos analisados, o que reforça o pressuposto da Teoria da Legitimidade e de processo isomórfico na evidenciação das informações socioambientais.


Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, C. A.; HILL, W.; ROBERTS, C. B. Corporate social reporting practices in Western Europe: legitimating corporate behaviour? British AccountingReview, v. 30, p. 1-21, 1998.Disponívelem: . Acesso em 10 de setembro de 2013.

AERTS, W.; CORMIER, D. Media legitimacy and corporate environmental communication.Accounting, Organizations and Society, v. 34, p. 1-27.2009. Disponívelem: . Acessoem 15 de setembro de 2013.

BROWN, N.; DEEGAN, C. The public disclosure of environmental performance information: a dual test of media agenda setting theory and legitimacy theory. Accountingand Business Research, v. 29, n. 1, p. 21-41. 1999.

BRUNI, A. L. SPSS aplicado à pesquisa acadêmica. São Paulo: Atlas, 2009.

CHO, C. H; PATTEN, D. M. The role of environmental disclosures as tools of legitimacy: a research note. Accounting, Organizations and Society. Vol. 32, p. 639-647. 2007. Disponível em: . Acesso em 25 de setembro de 2013.

CLARKSON, P. M. et al. Revisiting the relation between environmental performance and environmental disclosure: an empirical analysis. Accounting, Organizations and Society, v. 33, p. 303-327. 2008. Disponível em: . Acesso em 1º de outubro de 2013.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resolução CFC 1.003 de19.08.2004. NBC T 15. Dispõe sobre as Informações de natureza social e ambiental. Disponível em: Acesso em 02 julho de 2010.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resolução CFC 1.121 de 28.03.2008. Dispõe sobre a Estrutura conceitual para elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. Disponível em: Acesso em 02 julho de 2010.

DEEGAN, C.; BLOMQUIST, C. Stakeholder influence on corporate reporting: An exploration of the interaction between WWF-Australia and the Australian minerals industry. Accounting, Organizations and Society, v. 31, p. 343-372. 2006. Disponível em: . Acesso em 03 de outubro de 2013.

DEEGAN, C.; GORDON, B. A study of the environmental disclosures practices of Australian corporations. Accounting and Business Research, v. 26, n. 3, p. 187-199. 1996.

DEEGAN, C.; RANKIN, M. Do Australian companies report environmental news objectively? An analysis of environmental disclosure by firms prosecuted successfully by the environmental protection authority.Accounting, AuditingeAccountability Journal, v. 9. p. 50-67. 1996. Disponível em: . Acesso em 05 de outubro de 2013.

DEEGAN, C.; RANKIN, M. The environmental reporting expectations gap: Australian evidence. British Accounting Review, v. 31, p. 313-346. 1999. Disponível em: . Acesso em 10 de outubro de 2013.

DIAS FILHO, J. M. Novos Delineamentos teóricos em contabilidade. In: RIBEIRO FILHO, J.F.R.; LOPES, J.; PEDERNEIRAS, M. (Org.). Estudando Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

DIAS FILHO, J. M.; MACHADO, L. H. B. Abordagens da pesquisa emcontabilidade. In: IUDÍCIBUS, S.; LOPES, A.B. Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. AmericanSociologicalReview, v. 48, p. 147-160, April, 1983. Disponível em: . Acesso em 15 de outubro de 2013.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W.The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

DOWLING, J; PFEFFER, J. Organizational legitimacy: social values and organizational behavior. Pacific SociologicalReview, v. 18, p. 122-136. 1975.

ETHOS. Instituto Ethos de Empresas de Responsabilidade Social. Disponível em: Acesso em 08 de novembro de 2013.

EXAME. As 1000 maiores empresas do Brasil.Exame Melhores e Maiores. 2009. Disponível em: . Acesso em 18 de outubro de 2013.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2 ed. São Paulo: Artmed, 2009.

GIBSON, R.; GUTHRIE, J.Recent environmental disclosures in annual reports of Australian public and private sector organizations.AccountingForum, v. 19, n. 2/3, p.111-127, 1995.

GLOBAL REPORTING INICIATIVE (GRI). Diretrizes para Relatórios deSustentabilidade. Disponível em: . Acesso em 04 de julho de 2010.

GRAY, R. Accounting and environmentalism: an exploration of the challenge of gently accounting for accountability, transparency and sustainability. Accounting, Organizations and Society, v. 17, n. 5, p. 399-426. 1992. Disponível em: . Acesso em 20 de outubro de 2013.

GRAY, R. et al. Corporate social and environmental reporting: a review of the literature and a longitudinal study of UK disclosure. Accounting, AuditingandAccountability Journal, v. 8, p. 47-77.1996. Disponívelem: . Acesso em 25 de outubro de 2013.

GRAY, R.; BEBBINGTON, J.; WALTERS, D. Accounting for the environment.London: Paul Chapman in Association with the Chartered Association of Certified Accountants. 1993.

GRAY, R.; WALTERS, D; BEBBINGTON, J. The greening of enterprise: An exploration of the (non) role of environmental accounting and environmental accountants in organizational change. Critical Perspectives onAccounting, v. 6, p. 211-239. 1995. Disponível em: . Acesso em 28 de outubro de 2013.

HACKSTON, D.; MILNE, M. J.Some determinants of social and environmental disclosures in New Zealand companies.Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 9, n. 1, p. 77-108. 1996. Disponível em: . Acesso 1º de novembro de 2013.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da Contabilidade. Tradução de Antônio ZorattoSanvicente. São Paulo: Atlas, 2007.

HOPWOOD, A. G. Accounting and Environment. Accounting, Organizations and Society, v. 34, p. 433-439. 2009. Disponível em: . Acesso em 04 de novembro de 2013.

IBASE. Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. Disponível em: .Acesso em 08 de novembro de 2013.

LINDBLOM, C. The implications of organizational legitimacy for corporate socialperformance and disclosure. Paper presented at the Critical Perspectives on Accounting Conference, New York, 1994.

MEYER, J.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and cerimony. American Journal of Sociology, 1977.Disponível em: . Acesso em 10 de novembro de 2013.

MOURA, F. V. Pressões institucionais e o isomorfismo estrutural e contábil dos relatórios de administração publicados por empresas dos subsetores de energia elétrica e de transporte. 2010. 126 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Federal da Bahia - UFBA, 2010.

NASCIMENTO, A. R. et al. Disclosure Social e Ambiental: análises das pesquisas científicas veiculadas em periódicos de língua inglesa. Revista Contabilidade Vista & Revista. Universidade Federal de Minas Gerais, v. 20, n. 1, p. 15-40. 2009.

NOSSA, V.Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de celulose em nível internacional. 2002. 249f. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) – Universidade de São Paulo - USP, 2002.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional in CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISHER, T. (org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. Vol. 1.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2014.v1ed11678

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários