EFEITOS DE ESTRATÉGIA UTILIZADA PARA FIDELIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS MÉDICOS NA ATENÇÃO BÁSICA DE UM MUNICÍPIO BRASILEIRO

Cristiano de Freitas Gomes, Chennyfer Dobbins Paes Da Rosa

Resumo


O Brasil tem um déficit de profissionais médicos nas áreas gerais. O nível de satisfação do profissional e a remuneração profissional são fatores importantes embora não sejam os únicos. Este trabalho objetiva avaliar a estratégia empregada para aumentar o número e a fidelização, bem como diminuir a rotatividade dos médicos que atuam em um município da região do ABC paulista e propor intervenções que auxiliarão na adesão desses profissionais ao serviço de saúde. Atualmente nenhum método de pagamento alinha satisfatoriamente os incentivos financeiros com as metas de melhoria dos indicadores de qualidade relativos a todos os envolvidos nos cuidados de atenção à saúde. A metodologia utilizada no trabalho consiste em revisão bibliográfica e análise documental e descritiva dos dados extraídos da secretaria de saúde e do grupo de trabalho de gestão do trabalho médico do Grande ABC. Foi elaborado plano de metas e produtividade alinhado a uma gratificação salarial em caso de cumprimento. Observou-se que houveram 02 solicitações de demissão e que foram admitidos 13 profissionais médicos no período estudado o que nos leva a entender como positiva a ação proposta para uma maior fidelização do médico com o serviço de atenção básica do município além de ter tido maior número de atendimentos. A realização desse trabalho nos permitiu concluir que ações de gestão em saúde com realinhamento salarial do médico associado a um plano de metas e produtividade podem ser efetivas e contribuir para uma diminuição da taxa de rotatividade de profissionais no atendimento em atenção básica de município.


Palavras-chave


Rotatividade; médicos, remuneração salarial; atenção básica

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, P. C.; NEVES, V. F.; COLETA, M. F. D.; DE FÁTIMA OLIVEIRA, Á. Avaliação do bem-estar no trabalho entre profissionais de enfermagem de um hospital universitário. . Retrieved December 11, 2013, from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n4/pt_10.pdf, 2012.

DE ARRUDA CAMPOS, C. V.; MALIK, A. M. Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família. Revista de Administraccão Pública, v. 42, n. 2, p. 347–368. Retrieved December 12, 2013, , 2008.

BESSA, R. DE O. Análise dos modelos de remuneração médica no setor de saúde suplementar brasileiro. . Retrieved June 3, 2013, from http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/8151, 2011.

CAMPOS, C. V. D. A. Por que o médico não fica? Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família do Município de São Paulo. . Retrieved December 12, 2013, from http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/2438, 2005.

CARVALHO, M. C. F. C. DA. Satisfação profissional dos enfermeiros. . Retrieved December 12, 2013, from http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/1574, 2010.

DEL CURA, M. L. A.; RODRIGUES, A. R. F. Satisfação profissional do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 7, n. 4, p. 21–28. Retrieved December 12, 2013, , 1999.

GIL, C. R. R. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad. Saúde Pública, v. 21, n. 2, p. 490–498. Retrieved December 11, 2013, 2005.

MARCHON, S. G.; CUNHA, Z. DA. Diagnóstico dos problemas que interferem nas accões do PSF do município de Araruama: sugerindo o empowerment como teoria organizacional. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 4, n. 13, p. 40–45. Retrieved June 3, 2013, from http://www.rbmfc.org.br/index.php/rbmfc/article/view/213, 2008.

MEDEIROS, C. R. G.; JUNQUEIRA, A. G. W.; SCHWINGEL, G.; et al. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde coletiva para a sociedade.[periódico na internet]. Retrieved December 12, 2013, from http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15s1/064.pdf, 2007.

NOMURA, F. H.; GAIDZINSKI, R. R. Rotatividade da equipe de enfermagem: estudo em um hospital-escola. SciELO Brasil. Retrieved June 17, 2013a, from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n5/v13n5a07.pdf, 2001.

NOMURA, F. H.; GAIDZINSKI, R. R. Rotatividade da equipe de enfermagem: estudo em um hospital-escola. SciELO Brasil. Retrieved December 12, 2013b, from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n5/v13n5a07.pdf, 2001.

PANNI, P. G. Motivos para a rotatividade dos médicos na estratégia da Saúde da Família no município de Cachoeirinha/RS. . Retrieved June 3, 2013, from http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/70546, 2012.

SANCHES, E. N.; PRÓSPERO, E. N. S.; STUKER, H.; JÚNIOR, M. C. DE B. Organização e trabalho: padrões de comprometimento dos profissionais que atuam na estratégia saúde da família. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n. 2, p. 294–300. doi: 10.5216/ree.v12i2.10356, 2010.

DA SILVA JUNQUEIRA, T.; COTTA, R. M. M.; GOMES, R. C.; et al. As relações laborais no âmbito da municipalização da gestão em saúde e os dilemas da relação expansão/precarização do trabalho no contexto do SUS Labor relations under decentralized health. Cad. Saúde Pública, v. 26, n. 5, p. 918–928. Retrieved June 17, 2013, from http://www.scielosp.org/pdf/csp/v26n5/14.pdf, 2010.

VIANNA, D.; MESQUITA, E. T. Economia da saúde: ferramenta para a tomada de decisão em Medicina. Rev SOCERJ, v. 16, n. 4, p. 258–61. Retrieved June 3, 2013, from http://www.ppge.ufrgs.br/ATS/disciplinas/1/vianna-mesquita-2003.pdf, 2003.

WHEBBER SOUZA DE OLIVEIRA, P.; GUERRA LEONE, R. J. Gestão estrátegica de benefícios: proposição de um modelo matemático para assistência médica dos funcionários. Revista de Administraccão Mackenzie, v. 9, n. 2. Retrieved December 11, 2013, from http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/view/157/0, 2008.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2016.v3ed12276

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários