Diferenciação de Produtos como Estratégia Competitiva: Uma Análise das Exportações do Ceará e Pernambuco para a União Européia (2000-2011)

Cibelli de Sá Pinheiro Nobre, João Mario Santos de França, Eleydiane Maria Gomes Vale, Ricardo Holanda Nobre

Resumo


Em um mercado cada vez mais globalizado a competição entre as empresas tornou-se mais acirrada, levando os empresários a procurar estratégias que os colocassem em vantagem perante os demais, principalmente com relação ao mercado exterior. Neste cenário torna-se importante a análise das exportações de produtos entre diferentes regiões. Este trabalho analisou a diferenciação entre produtos da pauta de exportação do Ceará e de Pernambuco para o mercado da União Européia no período de 2000 a 2011. A análise foi realizada a partir dos índices de similaridade, qualidade e variedade das exportações destes dois Estados obtida de dados provenientes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Obtiveram-se dois principais resultados: Primeiro, a similaridade dos itens de exportações cearenses e pernambucanas diminuiu ao longo do período analisado. Segundo, a verificação de que a qualidade e variedade dos produtos do Ceará são superiores aos de Pernambuco, ao longo de todos os anos analisados. Estes resultados podem ser utilizados na definição de estratégias comerciais diferenciadas e complementares, na qual ambos os estados são capazes de melhorar sua participação colaborativamente, ao tempo em que criam vantagens competitivas contra os concorrentes.

Palavras-chave


Diferenciação de Produtos; Estratégia; Similaridade; Qualidade; Variedade.

Texto completo:

PDF

Referências


CHAMI BATISTA, J. Competition between Brazil and other exporting countries in the U.S. import market: a new extension of constant-market-share analysis. Rio de Janeiro: Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

CONDEPE-FIDEM, AGÊNCIA ESTADUAL DE PLANEJAMENTO E PESQUISAS DE PERNAMBUCO. Pernambuco Indicadores Econômicos: Boletim Trimestral. RECIFE: CONDEPE/FIDEM, 2012, 25p. ISSN 1984-2074

DIEWERT, W. Erwin. Exact and Superlative Index Numbers. Journal of Econometrics, 4(2), 1976, pp. 115-145.

FEENSTRA, R. C. New product varieties and the measurement of international prices. American Economic Review, v. 84, n. 1, 1994.

FEENSTRA, R. C.; KEE, H. L. Trade Liberalization and Export Variety: A Comparison of Mexico and China. World Economy, vol. 30, no. 1, 2007.

FEENSTRA, R. C.; YANG, T.; HAMILTON, G. G. Business groups and product variety intrade: evidence from South Korea, Taiwan and Japan. Journal of International Economics, v. 48, n. 1, 1999.

FILGUEIRAS, Marina; KUME, Honorio. A Competitividade do Brasil e da China no Mercado Norte-Americano 2000-2008. Brasília-DF. IPEA. Textos para Discussão. n 1501. 2010.

FINGER, J. M.; KREININ, M. E. A measure of “Export Similarity” and its possible uses. Economic Journal, v. 89, 1979.

GROSSMAN, G. M.; HELPMAN, E. Innovation and growth in the Global Economy. Cambridge: The MIT Press, 1991.

IPECE, INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Enfoque Econômico 13: Importações cearenses crescem mais que as exportações. FORTALEZA: IPECE, 2011, 5p.

IPECE, INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Enfoque Econômico 14: Exportações e Importações Cearenses crescem mais de 10% no ano de 2011. FORTALEZA: IPECE, 2012-a, 3p.

IPECE, INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Enfoque Econômico 59: Evolução do emprego celetista 2003-2012. FORTALEZA: IPECE, 2012-b, 5p.

IPECE, INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Informe 25: Desempenho da Economia Cearense em 2011. FORTALEZA: IPECE, 2012-c, 18p.

IPECE, INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Informe 51: Comércio Exterior Cearense. Análise do Ano de 2012. FORTALEZA: IPECE, 2013, 13p.

KIYOTA, K. Are U.S. exports different from China’s exports? Evidence from Japan’s imports. Michigan: University of Michigan, April, 2008.

KRUGMAN, Paul. Scale Economies, Product Differentiation, and the Pattern of Trade. American Economic Review, 1980, pp. 50-59.

NG, F. Trade Indicators and indices. Trade and the WTO, A Handbook. The International Bank for Reconstruction and Development and World Bank, 2002, pp. 585-588.

POMFRED, R. The impact of ECC enlargement on non-member Mediterranean countries’ exports to the ECC. Economic Journal, v. 91, 1991, pp. 726-729.

ROCHA, L. A. P.; LIMA, M. G; CLEZAR, R. V. Perfil-Estado: Ceará 2010. Estudo conduzido pela APEX-Brasil. 2010. Disponível em: http://www.brasilportugal.org.br/ce_BKP/conteudo/banco/estatuto/980_Perfil_Estado_Ceara.pdf. Acesso em: 14 out. 2012.

SATO, Kazuo. The Ideal Log-Change Index Number. Review of Economics and Statistics, 58(2), 1976, pp. 223-228.

SCHOTT, P. K. The relative competitiveness of china’s exports to the United States vis a vis other countries in Asia, the Caribbean, Latin American and the OECD. Occasional Paper, n. 39, Buenos Aires: IDB-INTAL, July, 2006.

VALE, E.; FRANÇA, J. M.; CASTELAR, I. Does diversification cones signs for reductions in brazilian wage inequality? A regional application to the heckscher-ohlin model. XVII Encontro Regional de Economia. Fórum BNB de Desenvolvimento, 2012

XU, X.; SONG, L. Export similarity and the pattern of East Asia Development. In China in the Global Economy. First edition, Cheltenham, 2000, pp. 145-164.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2015.v2ed13303

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários