QUALIDADE DA GOVERNANÇA CORPORATIVA, HONORÁRIOS DE AUDITORIA E NÃO-AUDITORIA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO DO ÍNDICE DE AÇÕES COM GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA (IGCX)

Itzhak David Simão Kaveski, Larissa Degenhart, Marta Souza Fernandes, Luiz Fernando Cândido de Faria, Marcos Moreira Manuel Junior

Resumo


Este estudo objetivou examinar a influência dos mecanismos de Governança Corporativa nos gastos com honorários de auditoria e não-auditoria das empresas brasileiras de capital aberto pertencentes ao Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGCX) da BM&FBovespa. A população de pesquisa é composta por 185 empresas brasileiras pertencentes ao Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGCX) e a amostra compreendeu 88 empresas que apresentaram todas variáveis necessárias para análise dos dados. Para o tratamento dos dados utilizou-se o teste estatístico regressão de dados em painel. Os honorários de auditoria e de não-auditoria foram utilizados de três formas, o gasto total, logaritmo natural e a relação com o ativo total. Foram utilizados seis mecanismos de Governança Corporativa, conselho de administração, membros independentes, dualidade do diretor, presença de comitê de auditoria, tamanho do comitê de auditoria e reputação da empresa de auditoria independente. Os resultados indicam que dentre os mecanismos de Governança Corporativa, apenas o tamanho do comitê de auditoria e a reputação da empresa de auditoria independente, ou seja se a empresa auditora é Big Four ou não, influência nos gastos com honorários de auditoria. Já para os honorários de não auditoria necessita-se de mais estudos, pois o coeficiente de determinação foi extremamente baixo.


Palavras-chave


Honorários de Auditoria; Honorários de Não-Auditoria; Governança Corporativa.

Texto completo:

PDF

Referências


BEASLEY, M. S.; CARCELLO, J. V.; HERMANSON, D. R.; NEAL, T. L. The Audit Committee Oversight Process. Contemporary Accounting Research, v. 26, n. 1, p. 65-122, 2009.

BOO, E’. F.; SHARMA, D. The Association Between Corporate Governance and Audit Fees of Bank Holding Companies. Corporate Governance: The International Journal of Business in Society, v. 8, n. 1, p. 28-45, 2008.

BORTOLON, P. M.; SARLO NETO, A.; SANTOS, T. B. Custos de Auditoria e Governança Corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, v. 24, n. 61, p. 27-36, 2013.

BOVESPA. Bolsa de Valores de São Paulo. Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada – IGCX. Disponível em: . Acesso em: 25 Mai. 2015.

CALDERON, T. G.; WANG, L.; KLENOTIC, T. Past Control Risk and Current Audit Fees. Managerial Auditing Journal, v. 27, n. 7, p. 693-708, 2012.

CARCELLO, J. V.; HERMANSON, D. R.; NEAL, T. L.; RILEY JR., R. A. Board Characteristics and Audit Fees. Contemporary Accounting Research, v. 19, n. 3, p. 365-385, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRIFFIN, P. A.; LONT, D. H.; SUN, Y. Corporate Governance and Audit Fees: Evidence of Countervailing Relations. Journal of Contemporary Accounting & Economics, v. 4, n. 1, p. 18-49, 2008.

HALLAK, R. T. P.; SILVA, A. L. C. Determinantes das Despesas com Serviços de Auditoria e Consultoria Prestados pelo Auditor Independente no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 23, n. 60, p. 223-231, 2012.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4. ed. São Paulo: IBGC, 2009.

JARAMILLO, M. J.; BENAU, M. A. G.; GRIMA, A. Z. Factores que Determinan los Honorarios de Auditoría: Análisis empírico para México. Revista Venezolana de Gerencia, v. 17, n. 59, p. 387-406, 2012.

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360, 1976.

KIM, D.; KIM, J. Effects of Corporate Social Responsibility and Corporate Governance on Determining Audit Fees. International Journal of Multimedia and Ubiquitous Engineering, v. 8, n. 2, p. 189-196, 2013.

LARCKER, D. F.; RICHARDSON, S. A. Fees Paid to Audit Firms, Accrual Choices, and Corporate Governance. Journal of Accounting Research, v. 42, n. 3, p. 625-628, 2004.

MARCONI, M. de A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ROSA, C. A. D.; GUZZO, E. J.; BORBA, J. A.; BORGERT, A. Custos dos Serviços de Não-Auditoria (SNA) das Maiores Empresas brasileiras. Revista Catarinense da Ciência Contábil, v. 13, n. 38, p. 23-36, 2014.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A Survey of Corporate Governance, Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737–783, 1997.

SILVEIRA, A. M.; BARROS, L. A.; FAMÁ, R. Estrutura de Governança e Desempenho Financeiro nas Companhias Abertas brasileiras: Um Estudo Empírico. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 10, n. 1, p. 57-71, 2003.

TURLEY, S.; ZAMAN, M. The Corporate Governance Effects of Audit Committees. Journal of Management and Governance, v. 8, n. 3, p. 305-332, 2004.

VILLIERS, C. de; HAY, D.; ZHANG, Z. Audit Fee Stickness. Managerial Auditing Journal, v. 29, n. 1, p. 2-26, 2013.

ZAMAN, M.; HUDAIB, M.; HANIFFA, R. Corporate Governance Quality, Audit Fees and Non-Audit Services Fees. Journal of Business Finance & Accounting, v. 38, n. 1-2, p. 165-197, 2011.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2016.v3ed13834

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários