CONTROLE INTERNO E CONFLITOS DE INTERESSES EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Gustavo Henrique Costa Souza, Elizâgela Borba Ferreira da Silva, Luiz Antônio Félix Júnior

Resumo


Ao definir as suas normas de controle interno, as organizações procuram estabelecer as regras e condutas que deverão orientar a relação comercial com seus clientes. Tais regras, em teoria, deveriam ser observadas e obedecidas pelos funcionários da instituição que as definiu a fim de assegurar a validade jurídica das transações efetivadas, garantir a clareza nos pactos firmados, e evitar prejuízos de qualquer natureza. Este trabalho teve por objetivo analisar se relações pessoais eventualmente mantidas entre funcionários e clientes das cinco maiores instituições financeiras do país provocam conflitos de interesses capazes de ocasionar o descumprimento destes normativos institucionais e expor a organização a toda sorte de riscos. Para isto, a estratégia metodológica definida foi a aplicação de questionário com os funcionários de dez sucursais bancárias situadas na Capital Pernambucana e também na Região Metropolitana de Recife. Os dados obtidos sugerem que o relacionamento pessoal entre clientes e funcionários das agências existe e, efetivamente, leva estes últimos desobedecer aos controles internos, assumindo riscos que excedem os limites de tolerância determinados pela organização.

Palavras-chave


Controle interno; Conflitos de interesses; Instituições financeiras

Texto completo:

PDF

Referências


BIRINDELLI, Giuliana; FERRETTI, Paola. Compliance function in Italian banks: organizational issues. Journal of Financial Regulation and Compliance, v. 21, n. 3, p. 217-240, 2013.

BOUÇAS, Angela Siebra; GOMES, Josir Simeone. Sistemas de Controle Gerencial em Empresas brasileiras internacionalizadas: o caso de uma empresa de material elétrico. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 2, p. 06-26, 2010.

DELOACH, Jame W. Administração Corporativa de risco: estratégias para relacionar risco e oportunidade. New York: Pearson Education, 2001.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. Harbra, 1997.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H. Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Springer Netherlands, 1976.

LARUCCIA, Mauro Maia; YAMADA, Karen Junko. O desenvolvimento sustentável e a gestão de compliance em instituições financeiras. Revista Estratégica, v. 11, n. 2, 2013.

LÉLIZ, Débora Lage Martins; MARIO, Poueri do Carmo. Auditoria interna com foco em governança, gestão de riscos e Controle interno: análise da auditoria interna de uma empresa do setor energético. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 9º. 2009.

LEMGRUBER, Eduardo Facó; DE MACEDO WELLISCH, Ronaldo. Impacto da Reciprocidade Exigida por Instituições Financeiras nas Decisões de Gerência de Caixa da Firma. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 15, n. 4, 1980.

LIMA, Iran Siqueira; LOPES, Alexsandro Broedel. Contabilidade e controle de operações com derivativos. São Paulo: Pioneira, 1999.

MARSHALL, Christopher. Medindo e Gerenciando Riscos Operacionais em Instituições Financeiras. São Paulo, Qualitymark Editora, 2002.

MERCHANT, Kenneth A.; SIMONS, Robert. Research and control in complex organizations: an overview. Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University, 1986.

SILVA, Juliana Lemos; NAVARRO, Vera Lucia. Organização do trabalho e saúde de trabalhadores bancários. Rev Latinoam Enferm2012, v. 20, p. 226-34, 2012.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2018.v5ed14412

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários