A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO FILIADAS AO SICREDI

Wandeson Rocha Bittencourt, Valéria Gama Fully Bressan

Resumo


As cooperativas de crédito tendem a procurar estruturas de capital que proporcionem maiores benefícios aos seus cooperados. A alocação eficiente dos recursos por parte das cooperativas de crédito tende a engajar em atividades econômicas de maneira a oferecer mais vantagens aos seus cooperados. Diante disso, este trabalho buscou identificar a relação entre ativos e passivos das cooperativas de crédito, analisando a estrutura de capital adotada pelas cooperativas que pertencem ao sistema Sicredi. Esta pesquisa se caracteriza como quantitativa e descritiva. Foi utilizada a correlação canônica para analisar a correlação entre os dois lados do balanço, ativos e passivos. Os dados demonstraram que as cooperativas de crédito estão financiando as aplicações de longo prazo com obrigações de longo prazo. O patrimônio líquido está sendo usado para subsidiar os ativos permanentes e as obrigações de curto prazo estão financiando as aplicações de curto prazo. Como a maior parte dos ativos está sendo financiada com recursos do patrimônio líquido, ocorre a redução da alavancagem, proporcionando menores retornos aos cooperados. Em contrapartida esta estratégia promove maior facilidade na captação de recursos de terceiros, indicando que as cooperativas de crédito filiadas ao Sicredi mantem uma postura mais conservadora.

Palavras-chave


Finanças; Contabilidade; Contabilidade Gerencial

Texto completo:

PDF

Referências


ALBANEZ, T.; VALLE, M. R. DO. Impactos da assimetria de informação na estrutura de capital de empresas brasileiras abertas. São Paulo. Revista Contabilidade e Finanças, v. 20, n. 51, set./dez., p. 6–27, 2009.

ALBANEZ, T.; VALLE, M. R. DO; CORRAR, L. J. Fatores institucionais e assimetria informacional: influência na estrutura de capital de empresas brasileiras. São Paulo. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, mar./abr., p. 76–105, 2012.

ALPERT, M. I.; PETERSON, R. A. On the interpretation of canonical analysis. Journal of Marketing Research, v. 9, n. May, p. 187–192, 1972.

BACEN. Relatório de inclusão financeira. Banco Central do Brasil, v. 1, n. 2, 2011. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 12/3/2014.

BACEN. Séries tempoais. Disponível em: . Acesso em: 18/4/2014.

BAE, K.; KANG, J.; WANG, J. Employee treatment and firm leverage: A test of the stakeholder theory of capital structure. Journal of Financial Economics, v. 100, n. 1, p. 130–153, 2011. Elsevier.

BASTOS, D. D.; NAKAMURA, W. T.; BASSO, L. F. C. Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas na américa latina: um estudo empírico considerando fatores macroeconômicos e institucionais. São Paulo. Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 6, nov./dez., p. 47–77, 2009.

BRITO, G. A. S.; CORRAR, L. J.; BATISTELLA, F. D. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. São Paulo. Revista de Contabilidade e Finanças, , n. 43, jan./abr., p. 9–19, 2007.

BRITO, R. D.; LIMA, M. R. A Escolha da Estrutura de Capital sob Fraca Garantia. Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Economia, v. 59, n. 2, abr./jun., p. 177–208, 2005.

DANTAS, R. F.; DESOUZA, S. A. Modelo de risco e decisão de crédito baseado em estrutura de capital com informação assimétrica. Pesquisa Operacional, v. 28, n. 2, mai./ago., p. 263–284, 2008.

GLASS, J. C.; MCKILLOP, D. G.; RASARATNAM, S. Irish credit unions: investigating performance determinants and the opportunity cost of regulatory compliance. Journal of Banking & Finance, v. 34, n. 1, p. 67–76, 2010.

GONÇALVES, R. M. L.; BRAGA, M. J. Determinantes de risco de liquidez em cooperativas de crédito: uma abordagem a partir do modelo logit multinomial. Curitiba. Revista de Administração Contempotênea, v. 12, n. 4, out./dez., p. 1.019–1.041, 2008.

GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, E. Finance. 4° ed. New York: Barron’s Educational, 2000.

KAYO, E. K.; FAMÁ, R. Teoria de agência e crescimento: evidências empíricas dos efeitos positivos e negativos do endividamento. Cadernos de Pesquisa em Administração, v. 2, n. 5, ago./dez., 1997.

LIRA, S. A. Análise de correlação: abordagem teórica e de construção de dos coeficientes com aplicações. Dissertação (Mestrado em Métodos Numéricos em Engenharia), Curitiba: Universidade Federal do Paraná (UFPR), 2004.

MARLOW, M. L. A canonical correlation analysis of savings and loan association performance. Departament of Economics, George Washington University, USA, 1979.

MATOS, J. A. DE. Theoretical foundations of corporate finance. First edit ed. Princeton and Oxford, 2001.

MCKILLOP, D. G.; GLASS, J. C.; FERGUSON, C. Investigating the cost performance of UK credit unions using radial and non-radial efficiency measures. Journal of Banking & Finance, v. 26, p. 1.563–1.591, 2002.

MEDEIROS, O. R. DE; DAHER, C. E. Testando Teorias Alternativas sobre a Estrutura de Capital nas Empresas Brasileiras. Curitiba. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 1, jan./mar., p. 177–199, 2008.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma adordagem aplicada. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review, v. 48, n. 3, jun., 1958.

MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. Corporate Income taxes and the cost of capital: a correction. The American Economic Review, v. 53, n. 3, Jun, p. 433–443, 1963.

OREIRO, J. L. DA C. Preferência pela liquidez, racionamento de crédito e concentração bancária: uma nova teoria Pós-Keynesianada firma bancária. São Paulo. Estudos Econômicos, v. 35, n. 1, jan./mar., p. 101–131, 2005.

PINHEIRO, M. A. H. Cooperativas de Crédito: história da evolução normativa no Brasil. 6° ed. Brasília: Banco Central do Brasil, 2008.

RENCHER, A. C. Methods of Multivariate Analysis. New York: John Wiley & Sons, Inc., 2003.

SCHNELLER, M. I. Taxes and the optimal capital structure of the firm. The Journal of Finance, v. 35, n. 1, mar., p. 119–128, 1980.

SICREDI. Estrutura SICREDI. Disponível em: . Acesso em: 21/11/2013.

SILVA, J. W. DA; SOARES, L.; FERREIRA, P. V.; SILVA, P. P. DA; SILVA, M. J. C. DA. Correlações canônicas de características agroindustriais em cana-de-açúcar. Acta Sci. Agron, v. 29, n. 3, p. 345–349, 2007.

SIMONSON, D. G.; STOWE, J. D.; WATSON, C. J. A Canonical Correlation Analysis of Commercial Bank Asset/Liability Structures. Journal of Financial and Quantitative Analysis, v. 18, n. 1, 1983.

SOBRINHO, A. D. DE M.; SOARES, M. M.; MEINEN, Ê. A evolução do sistema cooperativista de crédito brasileiro em 2012. SICOOB, 2013.

STOWE, J. D.; WATSON, C. J.; ROBERTSON, T. D. Relationships Between the Two Sides of the Balance Sheet: A Canonical Correlation Analysis. The Journal of Finance, v. 35, n. 4, Sep, p. 973–981, 1980.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. . Using Multivariate Statistics. 5° ed. Boston: Pearson, 2007.

TEIXEIRA, B. R.; PRADO, M. F.; RIBEIRO, K. C. DE S. Um estudo da teoria de Modigliani-Miller através do caso de empresas brasileiras: Analisando a irrelevância da estrutura de capitais. Franca. Facef Pesquisa, v. 14, n. 1, jan./abr., p. 67–79, 2011.

VICKERS, D. The cost of capital and the structure of the firm. Journal of Finance, v. 25, n. 1, Mar, 1970.

WHEELOCK, D. C.; WILSON, P. W. The evolution of cost-productivity and efficiency among US credit unions. Journal of Banking & Finance, v. 37, n. 1, p. 75–88, 2013.




DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2016.v3ed24421

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários