PERFIL DO ÓBITO DE NATIMORTOS COM ENFOQUE NOS DETERMINANTES MATERNOS

Cilene Delgado Crizóstomo, Jefferson Abraão Caetano Lira, José Francisco Ribeiro, Larissa da Costa Lima, Ravena de Sousa Alencar Ferreira, Bianca Maria Cardoso de Sousa Vieira

Resumo


Objetivo: analisar o perfil do óbito de natimortos com enfoque nos determinantes maternos. Método: estudo descritivo, exploratório e retrospectivo realizado em uma maternidade de referência do Piauí, com 243 natimortos, no ano de 2015, mediante formulário semiestruturado. Resultados: quanto aos aspectos maternos, prevaleceu a faixa etária de 20 a 30 anos (57,2%), residentes em Teresina (47,3%), com menos de 32 semanas de gestação (48,6%) e o parto vaginal (66,3%). As principais causas de óbito dos natimortos foram as síndromes hipertensivas (20,2%), a hipóxia e a anóxia fetal (12,3%), a insuficiência placentária (10,3%) e as infecções (9,9%). A maioria dos óbitos ocorreu antes do trabalho de parto (87,7%), apresentando peso ao nascer menor que 1500 gramas (39,1%). Conclusão: identificou-se que vários determinantes maternos estão presentes na natimortalidade e que o número de natimortos é alto no Piauí, reforçando que a saúde materno-infantil precisa avançar.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância do Óbito Infantil e Fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 [Acesso em 2018 jan. 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_obito_infantil_fetal.pdf

Cunha AA, Nascimento MI. Natimorto: uma revisão dos sistemas de classificação. FEMINA [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 mar. 10]; 43(3):125-34. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2015/v43n3/a5121.pdf

Vieira TMM, Oliveira RR, Mazza VA, Mathias TAF. Mortalidade perinatal e diferenças regionais no estado do Paraná. Cogitare Enfermagem [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 fev. 15]; 20(4):783-91. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/42626

Klein CJ, Madi JM, Araújo BF, Zatti H, Bosco DSD, Henke CN et al. Fatores de Risco Relacionados à Mortalidade Fetal. Revista da AMRIGS [Internet]. 2012 [Acesso em 2018 fev. 11]; 56(1):11-6. Disponível em: http://www.amrigs.com.br/revista/56-1/0000095572-3_923.pdf

Lemos LFS, Cunha ACB. Concepções sobre morte e luto: experiência feminina sobre a perda gestacional. Psicologia: ciência e profissão [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 fev. 14]; 35(4):1120-38. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932015000401120&script=sci_abstract&tlng=es

Menezzi AMED, Figueiredo ID, Lima EWB, Almeida JC, Marques FKS, Oliveira CF et al. Vigilância do óbito fetal: estudo das principais causas. O mundo da saúde [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 fev. 14]; 40(2):208-12. Disponível em: https://www.saocamilo sp.br/pdf/mundo_saude/155574/A07.pdf

Gomes RNS, Carvalho Filha FSSC, Portela NLC. Avaliação da influência do abandono da assistência pré-natal na mortalidade fetal e neonatal. Rev Fund Care Online [Internet]. 2017 [Acesso em 2018 fev. 11]; 9(2):416-21. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932015000401120

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Portaria nº 72, de 11 de janeiro de 2010. Dispõe sobre a regulamentação da Vigilância de Óbitos Infantis e Fetais. Diário Oficial da União 2010 [Acesso em 2018 fev. 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt0072_11_01_2010.html

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [Acesso em 2018 fev. 12]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n10/1413-8123-csc-22-10-3415.pdf

Maria LFBS, Araújo TVB. Um olhar sobre a vigilância dos óbitos fetais do Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, Brasil, em 2014. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2017 [Acesso em 2018 fev. 12]; 22(10):3415-28. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232017021003415&script=sci_abstract&tlng=pt

Silva RMM, Mazotti BR, Zilly A, Ferreira H, Caldeira S. Análise da incidência de óbitos fetais entre municípios da nona regional de saúde do Paraná. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 fev. 16]; 37(1):33-42. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/23347

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [Acesso em 2018 abr. 11]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf

Saloojee H, Coovadia H. Maternal age matters: for a lifetime, or longer. The Lancet [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 jan. 28]; 3(7):342-43. Disponível em: https://www.thelancet.com/pdfs/journals/langlo/PIIS2214-109X(15)00034-0.pdf

Lima KJ, Chaves CS, Gomes EO, Lima MA, Candeira ECP, Teófilo FKS et al. Análise da situação em saúde: a mortalidade fetal na 10ª região de saúde do Ceará. Rev Bras Promoç Saúde [Internet]. 2017 [Acesso em 2018 fev. 16]; 1(30):30-7. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/5944

Secretaria de Estado da Saúde do Piauí. Maternidade Evangelina Rosa [Acesso em 2016 jan. 28]. Disponível em: http://www.saude.pi.gov.br/paginas/33-maternidade-evangelina-rosa

Moraitis AA, Oliver-Williams C, Wood AM, Fleming M, Pell JP, Smith G. Previous caesarean delivery and the risk of unexplained stillbirth: retrospective cohort study and meta-analysis. An International Journal of Obstetrics and Gynaecology [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 fev. 12]; 122(11):1467-74. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26033155

Goldenberg RL, Mcclure EM. Maternal, fetal and neonatal mortality: lessons learned from historical changes in high income countries and their potential application to low-income countries. Matern Health Neonatol Perinatol [Internet]. 2015 [Acesso em 2018 fev. 19]; 1(3):1-10. Disponível em: https://mhnpjournal.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s40748-014-0004-z

Moura BLA, Alencar GP, Silva ZP, Almeida MF. Internações por complicações obstétricas na gestação e desfechos maternos e perinatais, em uma coorte de gestantes no Sistema Único de Saúde no Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2018 [Acesso em 2018 fev. 20]; 34(1):e00188016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2018000105012&script=sci_abstract&tlng=pt

Oliveira ACM, Santos AA, Bezerra AR, Barros AMR, Tavares MCM. Fatores maternos e resultados perinatais adversos em portadoras de pré-eclâmpsia em Maceió, Alagoas. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 fev. 20]; 106(2):113-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/2016nahead/pt_0066-782X-abc-20150150.pdf

Antunes MB, Demitto MO, Gravena AAF, Padovani C, Pelloso SM. Síndrome hipertensiva e resultados perinatais em gestação de alto risco. Rev Min Enferm [Internet]. 2017 [Acesso em 2018 fev. 19]; 21:e-1057. Disponível em: www.reme.org.br/exportar-pdf/1195/e1057.pdf

Rêgo MGS, Vilela MBR, Oliveira CM, Bonfim CV. Óbitos perinatais evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2018 [Acesso em 2018 mar. 30]; 39:e.2017-0084. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/79562/46550

Tavares VB, Medeiros SC. Infecção do trato urinário na gravidez: uma revisão de literatura. Ciências biológicas e da saúde [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 jan. 20]; 2(3):67-74. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/facipesaude/article/view/3243/2081

Romanelli RMC, Carellos EVM, Campos FA, Pinto ASP, Marques BA, Lêni MA et al. Abordagem neonatal nas infeccões congênitas – toxoplasmose e sífilis. Revista Médica de Minas Gerais [Internet]. 2014 [Acesso em 2018 fev. 12]; 24(2):202-15. Disponível em: www.rmmg.org/exportar-pdf/1601/v24n2a11.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [Acesso em 2018 fev. 14]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf

Nunes RD, Bertuol E, Siqueira IR. Avaliação dos fatores associados aos resultados neonatais no descolamento prematuro de placenta. Arq Catarin Med [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 abr. 10]; 45(4):11-27. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/134

Silveira ML, Caminha NO, Sousa RA, Pessoa SMF, Gurgel EPP, Cavalcante DMP. Desfecho neonatal em gestações que evoluíram com amniorrexe prematura. Rev Rene [Internet]. 2014 [Acesso em 2018 abr. 10]; 15(3):491-98. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/viewFile/3211/2470

Mazotti BR, Zilly A, Ferreira H, Caldeira S, Silva RMM. Fatores epidemiológicos correlacionados ao risco para morte fetal: revisão integrativa da literatura. Arq Ciênc Saúde [Internet]. 2016 [Acesso em 2018 fev. 13]; 23(2):09-15. Disponível em: http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/221




DOI: https://doi.org/10.26694/repis.v4i0.7152

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases/Indexadores:

Internacionais: CuidenIndex Copernicus InternationalResearch BibleLatindexCrossRefScholar Google; REDIB; PKP Index; DOAJ.

Nacionais: DiadorimIBICTSumarios.orgLIVRE; periodicos CAPES.

REPIS is available in: Publons

ISSN: 2446-7901