O contratualismo contemporâneo de Rawls e o contratualismo moderno: A justificação como “princípio de homogeinização”

Delmo Mattos

Resumo


O objetivo desse artigo consiste em demonstrar o elemento da justificação como problema central na constituição argumentativa do contratualismo moderno e contemporâneo. Nesses termos, busca-se examinar o elemento em questão de modo a verificar o seu funcionamento teórico como “princípio de homogeneização” entre as duas vertentes.  Trata-se, portanto, de conceber determinadas particularidades entre ambas as vertentes do argumento que evidencie a possibilidade de conceber no âmbito da argumentação a utilização sistematizada da categoria da justificação para fundamentar determinados princípios que, consequentemente, sustentam a utilização do argumento do contrato em ambas vertentes desse argumento.


Palavras-chave


contrato, justificação, política, racionalidade, justiça

Texto completo:

PDF

Referências


ASHFORD, Elizabeth and Mulgan, Tim. Contractualism. In: Edward N. Zalta (ed.), Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2007.

ADAIR, P. La Théorie de la Justice de John Rawls: Contrat Social Versus Utilitarisme. Revue Française de Science Politique, v. 41, n. 1, p. 81-96, 1991.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. Tradução Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Brasiliense, 2005

BOBBIO, N., MATTEUCCI, N., PASQUINO, G. Dicionário de política. 2.v. 6.ed.Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.

ALTHUSSER, Louis. Sobre o Contrato Social. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1976.

AUDI, Robert. The Structure of Justification. Cambridge: Cambridge University

Press, 1993.

BOBBIO, Norberto. Locke e o direito natural. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora da UnB, 1997.

_________. Dicionário de política. In: N. Bobbio, N. Matteucci e G. Pasquino. 2ª ed., Brasília: ed. Universidade de Brasília, 1997.

_________. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

BAUMGOLD, Deborah. Hobbes's Political Theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

BLOOM, A. Justice: John Rawls. The Tradition of Political Philosophy. The American Political Science Review, v. 69, n. 2, 1975. p. 648-62.

BOUCHER, David and Paul Kelly, eds. 1994, The Social Contract from Hobbes to Rawls, New York: Routledge.

DARWALL, S. Contractualism, root and branch, Philosophy and Public Affairs, 34(2): 193–214, 2006.

DANNER, Leno Francisco. O Fato do Pluralismo em Rawls: sobre a Fundamentação da Sociedade Política. Revista Estudos Filosóficosnº 5 /2010 Pág. 155 – 173

DE VITA, Álvaro. A justiça igualitária e seus críticos. São Paulo: Unesp,

_______. A justiça igualitária e seus críticos. São Paulo. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, 1998.

_______. El contractualismo rawlsiano en cuestión. Cuadernos Del Claeh, Montevidéu, v. 23, n.81-82, p. 47-60, 1998.

FREEMAN, Samuel (ed). Cambridge Companion to Rawls. Estados Unidos da América: Cambridge University Press, 2003

GAUTHIER, D. The Logic of Leviathan: The Moral and Political Theory of Thomas Hobbes. Oxford: Oxford University Press, 1979

GILABERT, P. Contractualism and Poverty Relief , Social Theory and Practice, 33(2): 277–310, 2007.

GARGARELLA, Roberto. As teorias da justiça depois de Rawls. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HILLS, A. Contractualism and Demandingness, Philosophical Quarterly, 60: 225–242, 2010.

HAMPTON, J. Hobbes and the Social Contract Tratidion. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

HÖFFE, Otfried. Justiça Política. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.

HOBBES, Thomas. Leviathan, or The Matter, Forme and Power of a Commonwealth Ecclesiasticall and Civil. Ed. C. B. Macpherson. Harmondsworth: Penguin Books, 1968.

_______________. Do cidadão. Elementos Filosóficos a Respeito do cidadão. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_______________. Elementos da lei natural e política. Introdução: J. C. A. Gaskin, Tradução: Bruno Simões, Revisão da tradução: Aníbal Mari. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

KYMLICKA, W. Filosofia política contemporânea. Trad. Luís Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

KEYT, David,“The Social Contract as an Analytic, Justificatory and Polemic

Device,”Canadian Journal of Philosophy4(1974):241–52.

KELSEN, Hans, O Problema da Justiça, Martins Fontes, São Paulo 1998.

¬¬¬¬¬______________, O que é Justiça? Martins Fontes, São Paulo 1998.

KERSTING, Wolfgang. Kant und der staatsphilosophische Kontraktualismus. Allgemeine Zeitschrift für Philosophie 8/1983.

__________________. Die Logik des kontraktualistischen Arguments. In: GERHARDT, V. (Hrsg.). Der Begriff der Politik. Bedingungen und Gründe politischen Handelns. Stuttgart: J.-B Metzler, 1990.

KOLM, S.-C. Teorias Modernas da Justiça. Trad. Jefferson L. Camargo e Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KUKATHAS, Chandran. PETTIT, Philip. Rawls: Uma teoria da Justiça e os seus críticos. 1ª Edição. São Paulo: Gradiva, 1995.

LLOYD, S. Ideas as Interests in Hobbes's Leviathan: The Power of Mind over Matter. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

LOCKE, John. Carta acerca da tolerância. Tradução de Anoar Aiex e Jacy Monteiro. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

________. Segundo tratado sobre o governo civil. Petrópolis: Vozes, 1994.

MARQUES, Viriato Soromenho, “Contratualismo”, Dicionário Electrónico de Filosofia Moral e Política, Lisboa, Instituto de Filosofia da Linguagem da Universidade Nova de Lisboa, 2008.

MARTINS, A. M. Contratualismo. In: Dicionário de filosofia moral e política. file:///C:/Users/professor/Downloads/fcea344406ea985ed0b10cbb2f1ecdbd.pdf, disponível em 17 de Maio de 2018.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

NEDEL, José. A Teoria Ético-Política de John Rawls. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

NORCROSS, A. Contractualism and Aggregation, Social Theory and Practice, 28: 303–14, 2002

NORZICK, Robert. Anarquia, Estado e Utopia. Tradução de Ruy Jungmann, Rio de

Janeiro, Jorge Zahar Editores, 1991.

PETTIT, P. Doing unto Others, Times Literary Supplement, June 25, pp. 7–8, 1999, A Consequentialist Perspective on Contractualism, Theoria, 66(3): 228–236, 2000

___________, Can Contract Theory Ground Morality? in Dreier, J., (ed.), Contemporary Debates in Moral Theory, Oxford: Blackwell, pp. 77–96, 2006

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Tradução Almino Pisetta; Lenita M. R. Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

____________. A Theory of Justice. (Revised edition, Cambridge, Massachusetts: Belknap Press, 1999.

____________. Justice as Fairness: Political not Metaphysical" Philosophy and Public Af airs 14 (1985): 223-251.

¬¬¬___________. The Sense of Justice. In: Collected Papers (Org. Samuel Freeman) Cambridge-Massachussets: Harvard University Press, 1999.

___________.The Basic Structure as Subject. American Philosophical. Quarterly, 1977.

SHAVER, R. Contractualism and restrictions, Philosophical Studies, 132(2), 293–299, 2007.

SORELL, T. (1996a) (org.): The Cambridge Companion to Hobbes, Cambridge University Press, Cambridge, 1996

TERREL, J. Les Théories du Pacte Social: Droit Naturel, Souveraineté et Contrat de Bodin à Rousseau, Seuil, Paris, 2001.

VALLESPÍN OÑA, F. Nuevas Teorías del Contrato Social: John Rawls Robert Nozick y James Buchanan, Alianza, Madrid, 1985.

WALZER, Michael. Esferas da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2003.




DOI: https://doi.org/10.26694/pensando.v9i18.7287

DOI (PDF): https://doi.org/10.26694/pensando.v9i18.7287.g5119

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.


INDEXADA EM/INDEXED BY:

Logotipo do Sumarios   Logotipo do DOAJ Logotipo do IBICT  Logotipo da rede Cariniana  Logotipo do LatIndex 

Logotipo da ANPOF Logotipo da MIAR

Logotipo do Portal Periodicos Logotipo da Diadorim Logotipo do Philosopher's Index

Logotipo da LIVRE   Logotipo da PhilPaper   Logotipo da CrossRef   Logotipo da SUDOC   Logotipo da BELUGA   Logotipo da ERIH PLUS 

 



ENDEREÇO/MAIL ADDRESS:

Universidade Federal do Piauí, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela,

CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134  E-mail: revista.pensando@gmail.com



 

OUTROS LINKS:

  Logotipo da Capes   Logotipo do CNPq   Logotipo da UFPI  Logotipo da FAPEPI

 


ISSN 2178-843X