Os influxos hegelianos em Charles Taylor - Identidade moderna, políticas de reconhecimento e eticidade

Fabio Caprio Leite de Castro

Resumo


No debate cada vez mais urgente acerca das condições da democracia, sobressai-se o tema do reconhecimento de demandas individuais e coletivas. Na busca de uma avaliação consistente desse tema a obra de Charles Taylor apresenta-se como um importante balizador. Uma das preocupações centrais no pensamento do filósofo canadense é construir uma metodologia capaz de colocar em relevo a formação e a evolução do problema da identidade, eixo sem o qual o próprio discurso sobre a democracia e a participação política permanece no campo abstrato, viciado por múltiplos pressupostos não examinados. A suposta “emancipação do indivíduo” em relação à sociedade, seja celebrada, seja deplorada, é para Taylor uma visão simplista. Sua obra apoia-se na tese de que a “revolução expressivista” conduziu ao horizonte moral do discurso a questão da luta por reconhecimento. O primeiro objetivo deste artigo é contextualizar e explicitar o projeto filosófico de Taylor, tomando como eixo central o modo como ele ofereceu uma compreensão sobre o problema da identidade. A partir daí, pretende-se mostrar como a ética da autenticidade, articulada ao tema da identidade, fundamenta-se através da necessidade de reconhecimento.  Por fim, será realizado um retorno interpretativo aos seus primeiros textos, que versam sobre a obra de Hegel, a fim de demonstrar a vitalidade do pensamento hegeliano no campo da eticidade contemporânea. Taylor realiza uma problematização do pensamento de Hegel de maneira única e que confere originalidade ao seu pensamento, colocando-o em diálogo com outros teóricos acerca da esfera pública e das teorias da justiça. Segundo a interpretação tayloriana, as duas tendências do Iluminismo identificadas por Hegel – o atomismo social utilitarista e o impulso para a liberdade absoluta através da realização da vontade geral – continuaram dando forma ao desenvolvimento da sociedade moderna. Ambas as tendências continuam a impactar nossas sociedades sobre as mais variadas formas de igualitarismo e de individualismo radical.


Palavras-chave


Filosofia política, Taylor, reconhecimento, eticidade

Texto completo:

PDF

Referências


BLAKELY, Jason. Alasdair McIntyre, Charles Taylor and the demise of naturalism – Reunifying political theory and social science. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 2016.

BUNCHAFT, Maria Eugênia. “Entre diversidade profunda e patriotismo constitucional. O diálogo entre Habermas e Taylor”. Revista da Faculdade de Direito da UFG, vol. 37, nº 2, 2013, pp. 13-40.

CORTELLA, Sérgio. “A política de reconhecimento em Hegel e Charles Taylor”. Theoria – Revista eletrônica de filosofia, vol. IV, nº 11, 2012, pp. 102-120

CRISTI, Renato; TRANJAN, J. Ricardo. “Charles Taylor y la Democracia Republicana”. Revista de Ciencia Política, vol. 30, nº 3, 2010, pp. 599-617.

DALMOLIN, Luciano; NODARI, Paulo César. “Identidade no horizonte do reconhecimento: uma leitura a partir da filosofia de Charles Taylor”. CALGARO, Cleide; SANGALLI, Idalgo José. (Org.). Ética, direitos humanos e socioambientalismo. Caxias do Sul: EDUCS, 2018, pp. 252-273.

FRASER, Nancy; Axel Honneth. Redistribuction or recognition? A political-philosophical Exchange. Trad. de Joel Galb, James Ingram e Christiane Wilke. Londres: Verso, 2003.

GIUSTI, Miguel. “Autonomía y reconocimiento”. Ideas y Valores, n° 133, abril, 2007, pp. 39-56.

HABERMAS, Jürgen. “Struggles for recognition in the Democratic Constitutional State”. GUTMANN, Amy (org). Multiculturalism. New Jersey, Princeton University Press, 1994, pp. 107-148.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública – Investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Flávio Kothe. Rio de Janeiro: 1984.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Trad. Ana Maria Bernardo et al. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

HABERMAS, Jürgen; TAYLOR, Charles. “Jürgen Habermas and Charles Taylor in conversation”. The immanent frame – secularism, religion and public sphere, 20 de novembro de 2009. Disponível em: https://tif.ssrc.org/2009/11/20/rethinking-secularism-jurgen-habermas-and-charles-taylor-in-conversation/

HONNETH, Axel. The struggle for recognition – The moral grammar of social conflits. Trad. Joel Anderson. Cambridge: MIT Press, 1995.

LOSSO, Tiago. “A crítica de Charles Taylor ao naturalismo na ciência política”. Revista de Sociologia e Política, v. 19, n° 39, jun. 2011, pp. 91-101.

MARQUES, Alexandre Bacelar. “Charles Taylor: A secular age”. Religião e Sociedade, nº 29 (2), 2009.

SAFATLE, Vladimir. “Por um conceito ‘antepredicativo’ de reconhecimento”. Lua Nova, nº 94, 2015, pp. 79-116.

SOUZA, Jessé. “Uma teoria crítica do reconhecimento”. Lua nova, nº 50, 2000, pp. 133-158.

TAYLOR, Charles. “Politics of recognition”. GUTMANN, Amy (org). Multiculturalism. New Jersey, Princeton University Press, 1994, pp. 25-73.

TAYLOR, Charles. A Secular Age. Cambridge: Harvard, 2007.

TAYLOR, Charles. Fuentes del yo – La construcción de la identidad moderna. Trad. de Ana Lizón. Barcelona: Paidós, 1996.

TAYLOR, Charles. Hegel and modern society. Londres: Cambridge University Press, 1979.

TAYLOR, Charles. Hegel. Londres: Cambridge University Press, 1974

TAYLOR, Charles. Imaginários sociais modernos. Trad. de Artur Morão. Lisboa: Texto & Grafia, 2010.

TAYLOR, Charles. The ethics of authenticity. Cambridge : Harvard Press, 1991.

TAYLOR, Charles. The explanation of behavior. Londres: Routledge & Kegal Paul, 1964.

TAYLOR, Charles. The language animal. Londres: Harvard University Press, 2016.

WALZER, Michael. “Comment”. GUTMANN, Amy (org). Multiculturalism. New Jersey, Princeton University Press, 1994, pp. 99-104.




DOI: https://doi.org/10.26694/pensando.v9i18.7648

DOI (PDF): https://doi.org/10.26694/pensando.v9i18.7648.g5016

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.


INDEXADA EM/INDEXED BY:

Logotipo do Sumarios   Logotipo do DOAJ Logotipo do IBICT  Logotipo da rede Cariniana  Logotipo do LatIndex 

Logotipo da ANPOF Logotipo da MIAR

Logotipo do Portal Periodicos Logotipo da Diadorim Logotipo do Philosopher's Index

Logotipo da LIVRE   Logotipo da PhilPaper   Logotipo da CrossRef   Logotipo da SUDOC   Logotipo da BELUGA    

 



ENDEREÇO/MAIL ADDRESS:

Universidade Federal do Piauí, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela,

CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134  E-mail: revista.pensando@gmail.com



 

OUTROS LINKS:

  Logotipo da Capes   Logotipo do CNPq   Logotipo da UFPI  Logotipo da FAPEPI

 


ISSN 2178-843X