Nurse's assistance to politraumatized: integrative review / Assistência do enfermeiro ao politraumatizado: revisão integrativa / Asistencia del enfermero al politraumatizado: revisión integrada

Vanessa De Almeida Miranda, Jadilson Rodrigues Mendes, Adélia Dalva da Silva Oliveira, Ana Maria Ribeiro dos Santos

Resumo


Objetivo: identificar estudos acerca da assistência do enfermeiro ao politraumatizado. Metodologia: trata-se de uma revisão integrativa realizada na base de dado Scientific Electronic Library Online- SciELO, no período de fevereiro a março de 2017. Foram selecionados 10 artigos, compreendidos no período de 2011 a 2017, utilizou-se a combinação dos descritores em saúde enfermagem em emergência, trauma múltiplo e cuidados de enfermagem. Resultados: verificou-se que a assistência de enfermagem ao politraumatizado é continua, que vai desde os primeiros socorros até a assistência dentro das unidades de internação, onde encontra os seus maiores problemas. Observou-se uma lacuna, pois nenhum estudo fez relato da real assistência de enfermagem ao politraumatizado. Conclusão: há uma necessidade de urgência na realização de novas pesquisas ao que diz respeito à assistência da enfermagem ao politraumatizado, levando em consideração que é a enfermagem uma das principais responsáveis no atendimento a esses pacientes e precisa de ferramenta que melhore esse cuidado.

Descritores: Enfermagem em emergência. Trauma Múltiplo. Cuidados de Enfermagem.


Texto completo:

PDF

Referências


Knobel E. Conduta no paciente grave.3.ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.

Gomes E, Moreira D, Chaló D, Dias C, Neutel E, Aragão I, Costa-Pereira, A. O doente politraumatizado grave – Implicações da Ruralidade na Mortalidade. Acta MedPort [internet]. 2011 [citado em 10 out 2017];24:81-90. Disponível em: http://www.actamedicaportuguesa.com/pdf /2011-24/1/081-090.pdf.

Marques ML, Musial VP, Cordeiro AA, Kuzmicz M. Perfil epidemiológico dos pacientes politraumatizados com pneumonia associada à ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva do hospital Universitário evangélico de Curitiba.Rev. Med. UFPR [Internet]. 2014; [acesso 10 out 2017]; 1(1):10-14. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/rmu.v1i1.40680.g24928.

ATLS. Suporte Avançado de Vida no Trauma. Manual do curso de alunos. 9. ed. 2012

Cavalcanti CDK, Ilha P, Bertoncello KCG. O cuidado de enfermagem a vítimas de traumas múltiplos: uma revisão integrativa. Journal of Health Sciences [Internet]. 2015; [acesso 20 out 2017]; 15(1): 81-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17921/2447-8938.2013v15n1p%25p.

Gouveia MTO, HS Santana, AMR Santos, Costa GR, Fernandes MA. Qualidade de vida e bem-estar dos estudantes universitários de enfermagem: revisão integrativa. Rev Enferm UFPI [Internet]. 2017;[acesso 20 jan 2018] 6(3):59-64. Disponível em: https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i3.6074.

Schweitzer G, Nascimento ERP, Moreira AR, Bertoncello KCG. Protocolo de cuidados de enfermagem no ambiente aeroespacial a pacientes traumatizados: cuidados antes do voo. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2011 [acesso em 23 out 2017]; 64(6):1056-1066. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672011000600011&lng=en.

Schweitzer G, Nascimento ERP, Nascimento KC, Moreira AR, ALN, Malfussi LBH. Intervenções de emergência realizadas nas vítimas de trauma de um serviço aeromédico. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2017 [acesso 11 out 2017]; 70(1): 54-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672017000100054&lng=en.

Jorge VC, Barreto MS, Ferrer ALM, Santos EAQ, Rickli HC, Marcon SS. Equipe de enfermagem e detecção de indicadores de agravamento em pacientes de pronto-socorro. Esc Anna Nery. [Internet]. 2012 [acesso 18 out 2017]; 16( 4 ): 767-774. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141481452012000400018&lng=en.

Magalhães PAP, Mota FA, Saleh CMR, Secco LMD, Fusco SRG, Gouvêa AL. Percepção dos profissionais de enfermagem frente à identificação, quantificação e tratamento da dor em pacientes de uma unidade de terapia intensiva de trauma. Revista Dor [Internet]. 2011 [acesso 10 out 2017];12(3):221-225. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180600132011000300005&lng=en.

Oliveira GN, Vancini-Campanharo CR, Okuno MFP, Batista REA. Acolhimento com avaliação e classificação de risco: concordância entre os enfermeiros e o protocolo institucional. Rev Lat Am Enfermagem [Internet]. 2013 [acesso em 05 set 2017]; 21(2): 500-506. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692013000200500&lng=en.

Costa CDS, Scarpelini S. Avaliação da qualidade do atendimento ao traumatizado através do estudo das mortes em um hospital terciário. Rev Col Bras Cir. [Internet]. 2012[acesso 04 Out 2017]; 39(4):249-54. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S010069912012000400002.

Santos JLG, Lima MADS. Gerenciamento do cuidado: ações dos enfermeiros em um serviço hospitalar de emergência. Rev. Gaúcha Enferm [Internet]. 2011 Dec [acesso 10 Out 2017]; 32( 4 ): 695-702. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472011000400009&lng=en.

Santos JLG, Lima MADS, Pestana AL, Colomé ICS, Erdmann AL. Estratégias utilizadas pelos enfermeiros para promover o trabalho em equipe em um serviço de emergência. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2016 [acesso 04 Out 2017]; 37(1): e50178. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472016000100402&lng=en.

Baggio MA, Callegaro GD, Erdmann AL. Relações de "não cuidado" de enfermagem em uma emergência: que cuidado é esse?. Esc. Anna Nery [Internet]. 2011 [acesso em 18 out 2017]; 15( 1 ): 116-123. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141481452011000100017&lng=en




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.7279-85

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: