Leadership and training of nurses for pre-hospital care emergency / Liderança e capacitação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar de emergência / Liderazgo y capacitación de los enfermeros en la atención prehospitalaria de emergencia

Rodrigo Pereira Costa Taveira, Jorge Luiz Lima da Silva, Robson Damião de Souza, Cristhian Antonio Brezolin

Resumo


Objetivo: descrever como se desenvolve o processo de liderança e capacitação dos enfermeiros que atuam em APH. Metodologia: pesquisa de natureza descritiva com abordagem qualitativa. O estudo teve como cenário a Organização de Bombeiros Militar-Grupamento de Socorro e Emergência. Os participantes foram enfermeiros do Quadro de Oficiais de Saúde do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro atuantes nas ambulâncias intermediárias. Foi utilizado roteiro de entrevista estruturada contendo perguntas abertas e fechadas. Os dados qualitativos foram analisados segundo análise de conteúdo. O estudo teve aprovação do comitê de ética e pesquisa e os participantes firmaram concordância assinando o termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: emergiram as seguintes categorias: a liderança e autonomia no atendimento imediato de emergência; a influência do treinamento na prática profissional de emergência. Os seis participantes relataram que a capacitação recebida para atuar no atendimento pré-hospitalar tem grande influência na prática, pois agiliza o atendimento. Muitas condutas são pré-estabelecidas, possibilitando raciocínio dinâmico, liderança e contínua revisão das técnicas e protocolos o que vai mantê-los atualizados. A liderança é reconhecida como fator essencial para o enfermeiro no atendimento de emergência. Conclusão: a liderança dos enfermeiros no atendimento pré-hospitalar se desenvolve com o conhecimento científico, sua participação na assistência, no respaldo e segurança à equipe, e liderança dentro da guarnição. Por outro lado, a capacitação dos enfermeiros se dá a partir da preocupação em se manter atualizados, visando prestar assistência rápida, segura, ainda que certas vezes a capacitação se apresente deficitária.

Descritores: Serviços Médicos de Emergência. Papel do Profissional de Enfermagem. Capacitação. Liderança.


Texto completo:

PDF

Referências


Luchtemberg MN, Pires DEP. O que pensam os enfermeiros do Samu sobre o seu processo de trabalho. Cogitare Enferm. [Internet]. 2015; 20(3): 457-466. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i3.40964

Dal Pai D, Lima MADS, Abreu KP, Zucatti PB, Lautert L. Equipes e condições de trabalho nos serviços de atendimento pré-hospitalar móvel: revisão integrativa. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2015;17(4):2-12. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v17/n4/pdf/v17n4a21.pdf

Hagiwara MA, Nilsson L, Strömsöe A, Axelsson C, Kängström A, Helitz J. Patient safety and patient assessment in pre-hospital care: a study protocol. Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency Medicine [Internet]. 2016; 24:14. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s13049-016-0206-7

Szerwieski LLD, Oliveira LF. Atuação do enfermeiro na gestão do atendimento pré-hospitalar. Revista Uningá [Internet]. 2015;45:68-74. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1229

Marques MTS, Santos JAG dos, Roges AL et al. Fatores inerentes à atividade de enfermagem no atendimento pré-hospitalar móvel sobre a influência do trabalho na saúde mental. Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2015; 9(4):7357-63. Disponível em: DOI: 10.5205/reuol.7275-62744-1-SM.0904201522

Intrieri ACU, Filho HB, Sabino MRLS, Ismail M, Ramos TB, Invenção A, Antonio E. O enfermeiro no APH e o método start: uma abordagem de autonomia e excelência. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa [Internet]. 2017;14(34): 112-128. Disponível em: http://revista.unilus.edu.br/index.php/ruep/article/view/793

Bernardes A, Maziero VG, El Hetti LB, Baldin MCS, Gabriel CP. Supervisão do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2014;16(3):635-43. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i3.21126.

Cestari VRF, Sampaio LRL, Barbosa IV, Studart RMB, Moura BBF, Araújo ARC. Tecnologias do cuidado utilizadas pela enfermagem na assistência ao paciente politraumatizado: revisão integrativa. Cogitare Enferm. [Internet]. 2015 Out/dez; 20(4): 701-710. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i4.40819

Oliveira WA, Brandão EC, Reis MCG, Giustina FPD. A importância do enfermeiro na evolução do atendimento pré-hospitalar no Brasil. Rev. REFACI [Internet]. 2017;2(2): 2-12. Disponível em: http://revista.faciplac.edu.br/index.php/REFACI/article/view/268

Bonin WLM, Abrahão AL, Laprovita D et al. Estratégia de educação permanente para o apoio aeromédico. Rev enferm UFPE [Internet]. 2016;10(Supl. 6):4757-65. Disponível em: DOI: 10.5205/reuol.8200-71830-3-SM.1006sup201607

Silva DS, Bernardes A, Gabriel CS, Rocha FLR, Caldana G. A liderança do enfermeiro no contexto dos serviços de urgência e emergência. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2014;16(1):211-9. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v16i1.19615

Siqueira CL, Rennó DS, Ferreira NMC, Ferreira SL, Paiva SMA. Dificuldades percebidas pela enfermagem no cotidiano do trabalho de um serviço de atendimento móvel de urgência. Rev. Saúde [Internet]. 2017;11(1-2): 62-73. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/2847

Ponte KMA, Moraes MVA, Sabóia ECM, Farias MP. Qualidade de Vida de Enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência com Dupla Jornada de Trabalho. J Health Sci [Internet]. 2017;19(2):103-8. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2447-8938.2017v19n2p103-108

Rincón-Lorenzo P, Solis-Mendonza HA, Montiel-Jarquín RG, et al. Conocimiento del personal de enfermería sobre el manejo del paciente crítico con base en el soporte vital básico. Rev. Enferm. Inst. Mex. Seguro Soc. [Internet]. 2017; 25(3):221-6. Disponível em: http://www.medigraphic.com/pdfs/enfermeriaimss/eim-2017/eim173i.pdf

Falk AC, Alm A, Lindström V. Has increased nursing competence in the ambulance services impacted on pre-hospital assessment and interventions in severe traumatic brain-injured patients?. Scand J Trauma Resusc Emerg Med [Internet]. 2014; 22:20. Disponível em: doi: 10.1186 / 1757-7241-22-20

Novack BC, Silva JR, Dornelles C, Amestoy SC. As dificuldades vivenciadas pelos profissionais de enfermagem no atendimento pré-hospitalar. Rev. Gestão & Saúde [Internet]. 2017;08(03): 453-467. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/24229/pdf

Anjos MS, Oliveira SS, Rosa DOP. Perspectivas de enfermeiras no cuidado em atendimento pré-hospitalar móvel. Rev. Baiana Enferm. [Internet]. 2016; 30(1): 375-381. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v1i1.14442

Carreno I, Veleda CN, Moreschi C. Características da equipe de atendimento pré-hospitalar no interior do Rio Grande do Sul. Rev Min Enferm. [Internet]. 2015 jan/mar; 19(1): 88-94. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150008

Formiga LMF, Gomes LCP, Oliveira EAR, Duailibe FT, Sousa LSN, Lima LHO. Atuação dos profissionais de enfermagem no serviço de emergência: um estudo descritivo. Rev Enferm UFPI [Internet]. 2014; 3(1):53-8. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.26694/reufpi.v3i1.1429

Coelho GMP, Abib SCV, Lima KSB, Mendes RNC, Santos RAA, Barros AG. Educação permanente em saúde: experiência dos profissionais do serviço de atendimento móvel de urgência. Enferm. Foco [Internet]. 2013; 4(3,4) 161 – 163. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.brindex.php/sustinere/article/view/31266




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.734-9

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: