Prevalence and characteristics associated with inadequate prenatal care / Prevalência e fatores associados ao pré-natal inadequado / Prevalencia y factores asociados al pren-natal..

Gisele dos Santos Nascimento, Elzo Pereira Pinto Junior, Maria Nice Dutra de Oliveira, Leandro Alves da Luz

Resumo


Objetivo: descrever a prevalência e analisar os fatores associado ao pré-natal inadequado em puérperas atendidas em uma maternidade pública. Metodologia: estudo transversal, realizado com 101 puérperas admitidas para realização de partos em uma maternidade pública de referência em no interior da Bahia. Considerou-se pré-natal inadequado aquele cuja gestante tinha tido número inferior à seis consultas. Para a análise dos dados, foi utilizada estatística univariada e bivariada, com aplicação do teste T de Student, teste Qui-quadrado de Pearson, além da estimação das razões de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%). Resultados: a prevalência do pré-natal inadequado foi de 26,7%. Na análise bivariada, foi possível identificar que um pré-natal inadequado aumentou em 2,3 vezes a prevalência de nascimentos de bebês com idade gestacional inadequada (RP=2,3; IC95%:1,24-4,27) e que as puérperas com pré-natal inadequado iniciaram as consultas, em média, 6 semanas mais tarde do que aquelas com pré-natal adequado (valor de p <0,001). Conclusão: os achados deste estudo indicaram elevada prevalência de pré-natal inadequado e sua associação com características adversas no ciclo gravídico-puerperal.

Descritores: Cuidado Pré-natal. Gestação. Saúde Materna. Epidemiologia.


Texto completo:

PDF

Referências


Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme FMM, Costa JV et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014; 30(1): S85-S100. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300016&lng=pt&tlng=pt

Lansky S, Friche AAL, Campos D, Bittencourt DAS, Carvalho de ML, Frias de PG, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014; 30(1): S192-S207. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300024&lng=pt&tlng=pt

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, Gama SGN et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2015; 37(3):140-147. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892015000300003&lng=en

Domingues RMSM, Hartz ZMA, Dias MAB, Leal MC. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(3):425-437. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v37n3/v37n3a03.pdf

Almeida SDM, Barros MBA. Eqüidade e atenção à saúde da gestante em Campinas (SP), Brasil. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2005; 17(1): 15-25. Disponível em: https://scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892005000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

World Health Organization. WHO antenatal Care Randomized Trial: Manual for the implementation of the New Model. UNDP/UNFPA/WHO/ World Bank Special Programme of Research, Development and Research Training in Human Reproduction. Department of Reproductive Health and Research. Family and Community Health. WHO, Geneva, 2002. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42513/WHO_RHR_01.30.pdf;jsessionid=C28D4CF698800067389F13393480B427?sequence=1

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012a. 318 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Victoria CG, Aquino EML, LEAL MCL, Monteiro CA, BARROS FC, SZWARCWALD CL. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/artigo_saude_brasil_2.pdf

Bernardes ACF, Silva RA, Coimbra LC, Alves MTSSB, Queiroz RCS, Batista, RFL, Bettiol H, Barieri MA, Silva AAM. Inadequate prenatal care utilization and associated factors in São Luís, Brazil. BMC Pregnancy and Childbirth [Internet]. 2014;14:266. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4133632/

Luz LA. Avaliação da qualidade da atenção pré-natal na Estratégia de Saúde da Família no Brasil / Leandro Alves da Luz. Salvador: L.A.Luz, 2016. 89f. Orientadora: Profa. Dra. Rosana Aquino Guimarães Pereira. Dissertação (mestrado) – Instituto de Saúde Coletiva. Universidade Federal da Bahia. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/21657/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Leandro%20Alves%20Leal.%202016.pdf

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. Saúde Colet [Internet]. 2016;24(2):252-261. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n2/1414-462X-cadsc-24-2-252.pdf

Organização Pan-Americana da Saúde. Elimination of Mother-to-Child Transmission of HIV and Syphilis in the Americas. Update 2015. Washington, DC: PAHO, 2015. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/34072/9789275119556-eng.pdf?sequence=4&isAllowed=y

Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Sífilis 2015 anos IV nº 01. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. Disponível em http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2015/58033/_p_boletim_sifilis_2015_final_pdf_p__15727.pdf

The Lancet. Another kind of Zika public health emergency. The Lancet [Internet]. 2017;389(10069):573. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)30325-2/fulltext

World Health Organization, Situation Report: Zyca Virus, Mycrocephaly, Guillain-barré syndrome. 2 february 2017. Disponivel em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254507/1/zikasitrep2Feb17-eng.pdf?ua=1

Paixão ES, Barreto F, Teixeira MG, Costa MCN, Rodrigues LC. History, Epidemiology, and Clinical Manifestations of Zika: A Systematic Review. AJPH [Internet]. 2016 Abril; 106(04):106-112. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26959260

Silva AMR, Almeida de MF, Matsuo T, Soares DA. Fatores de risco para nascimentos pré-termo em Londrina, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2009; 25(10):2125-2138. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009001000004

Goudard MJF, Simões VMF, Batista RFL, Queiroz RCS, Alves MTSSB, Coimbra LC et al. Inadequação do conteúdo da assistência pré-natal e fatores associados em uma coorte no nordeste brasileiro. Ciência e Saúde Coletiva [Internet]. 2016; 21(4):1227-1238. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000401227&lng=pt&tlng=pt

Ferrari RAP, Bertolozzi AR, Dalmas JC, Girotto E. Associação entre assistência pré-natal e mortes neonatais, 2000-2009, Londrina-PR. Rev. Bras. Enferm [Internet]. 2014; 67(3):354-9.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672014000300354&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Cardoso DJS, Schumacher B. Características epidemiológicas das internações neonatais em uma maternidade pública. Rev de Enferm UFPI [Internet]. 2017; 6(4):28-32. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/6305/pdf




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.7317-22

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: