Feelings paid by parents of children hospitalized in intensive neonatal and pediatric therapy units / Sentimentos vivenciados por pais de crianças hospitalizadas em unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica / Sentimientos vivenciados por padres de niños..

Silviamar Camponogara, Camila Pinno, Gisele Loise Dias, Mônica Strapazzon Bonfada, Talita Daiana Jacques Belmonte, Constância Nenê Loiola

Resumo


Objetivo: conhecer os sentimentos de pais durante o período de internação de seus filhos em Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal e Pediátrica. Metodologia: pesquisa qualitativa, descritiva, realizada em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal. Participaram os pais de pacientes internados, sendo os dados coletados por meio de entrevista semi-estruturada e analisados com base em análise de conteúdo temática. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade proponente, sob o parecer de número 335.012 e Certificado de Apresentação para Apreciação Ética 18933613.0.0000.5346. Resultados: A partir da análise emergiu a categoria “Internação hospitalar da criança: sentimentos e vivências dos pais”, a qual aponta a presença de medo, insegurança, sofrimento, contentamento com as respostas positivas, ansiedade pela distância de casa e demais familiares, aceitação e segurança. Conclusão: durante o período de internação diversos sentimentos perpassam a vivência dos pais, desde o momento da internação, exigindo, da equipe multiprofissional, um cuidado diferenciado, com vistas qualificar a assistência oferecida aos familiares. 

Descritores: Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica. Unidades de Terapia Intensiva Neonatal. Cuidados de Enfermagem. Criança Hospitalizada. Pais.


Texto completo:

PDF

Referências


Li WHC, Chung JOK, Ho KY, Kwok BMC. Play interventions to reduce anxiety and negative emotions in hospitalized children. BMC Pediatr [internet] 2016;11(16):36. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12887-016-0570-5

Gomes GC , Xavier DM , Pintanel AC, Farias DHR, Lunardi VL , Aquino DR, et al. Significados atribuídos por familiares na pediatria acerca de suas interações com os profissionais da enfermagem. Rev Esc Enferm USP [internet] 2015; 49(6):953-959. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n6/pt_0080-6234-reeusp-49-06-0953.pdf

Coyne I. Families and health-care professionals’ perspectives and expectations of family-centred care: hidden expectations and unclear roles. Health Expect [internet] 2013; 18:796–808. Disponível em: https://doi.org/10.1111/hex.12104

Oliveira B, Rielgel F, Siqueira DS, Predebon CM. Humanização da assistência de enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFPI [internet] 2014;3(2):98-102. Disponível em: https://doi.org/10.26694/reufpi.v3i2.1808

Smith J, Swallow V, Coyne, I. Involving Parents in Managing Their Child's Long-Term Condition—A Concept Synthesis of Family-Centered Care and Partnership-in-Care. J Pediatri Nurs [internet] 2015;30(1):143–59. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.pedn.2014.10.014

Silva SÉD, Vasconcelos EV, Freitas KO, Baia RSM, Araújo JS, Tavares RS, Costa JL da, et al. O cotidiano de familiares de pacientes internados na uti: um estudo com as representações sociais. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online [internet] 2016;8(2): 4313-27. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i2.4313-4327

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG, et al. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde [internet] 2011;27(2): 388-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 466/12, de 12 dez 2012. Regulamenta pesquisas em seres humanos no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Molina RCM, Higarashi IH, Marcon SS. Importância atribuída à rede de suporte social por mães com filhos em unidade intensiva. Esc. Anna Nery. [internet] 2014;18(1):60-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140009

Wernet M, Ayres JR de CM, Silveira VC, Leite AM, Mello DF de. Reconhecimento materno na Unidade de Cuidado Intensivo Neonatal. Rev. Bras. Enferm [internet] 2015;68(2): 228-34. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680207i

Lima AC, Santos RP, Silva SP, Lahm JV. Sentimentos maternos frente à hospitalização de um recém-nascido na UTI neonatal. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba [internet] 2013;15(4): 112-5. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/RFCMS/article/view/15163/pdf

Pêgo CO, Barros MMA. Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica: expectativas e Sentimentos dos Pais da Criança Gravemente Enferma. Rev. bras. ciênc. saúde [internet] 2017;21(1): 11-20. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/28551/16429

Estevam DCM, Donini JD. Visão das mães em relação ao cuidado com o recém-nascido após a alta da UTI neonatal. Saúde e Pesquisa [internet] 2016;9(1): 15-24. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/02/831990/2.pdf

Ramos DZ, Lima CA, Leal ALR, Prado PF, Oliveira VV, Souza AAM, Figueiredo ML, Leite TS, et al. Family participation in the care of children hospitalized in an intensive care unit. Rev Bras Promoç Saúde [internet] 2016;29(2): 189-96. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p189

Silva ACO, Santos DMA, Macedo SILVA DCM, Sousa FGM,Lima HRFO, Moura MRLA, et al. Identificando as necessidades de suporte, segurança, informação, proximidade e conforto de familiares de crianças internadas. Rev Enferm UFPI [internet] 2014;3(2):42-8. Disponível em: https://doi.org/10.26694/reufpi.v3i2.1700

Maia JMA, Silva LB da, Ferrari EAS. A relação da família com crianças hospitalizadas na unidade de terapia intensiva neonatal com a equipe de enfermagem. Rev. Enf. Contemporânea [internet] 2014;3(2):154-64. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v3i2.336

Passos SSS, Henckemaier L, Costa JC, Pereira A, Nitschke RG. Cuidado quotidiano das famílias no hospital: como fica a segurança do paciente? Texto Contexto Enferm [internet] 2016;25(4): 1-10. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n4/pt_0104-0707-tce-25-04-2980015.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. – 2.ed.reimp – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. DOU de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF.




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.7443-47

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: