Identification of the degree of classification of gross motor function in children with cerebral palsy at a specialized center / Identificação do grau de classificação da função motora grossa em crianças portadoras de paralisia cerebral de um centro especializado / Identificación del grado de clasificación de la función motora..

Mayara Antunes Cardoso, Rogerio Moreira Junior, Isabel Clarisse Albquerque Gonzaga

Resumo


Objetivo: identificar o grau de funcionalidade na escala GMFCS em crianças portadoras de paralisia cerebral de um centro especializado. Metodologia: pesquisa de campo, abordagem transversal, quantitativa e descritiva, participaram 72 crianças que estavam em atendimento na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais. Os dados foram coletados com a aplicação do grau de classificação da função motora grossa, para identificar o nível de comprometimento motor da criança, estes coletados após aprovação do projeto pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto de Ciências Jurídicas e Sociais Professor Camilo Filho com número de CAAE 40691014.6.0000. Resultados: da amostra, houve maior dominância do sexo masculino e nascidos a termo, e mostrando que o grau de classificação da função motora grossa de grau IV como o mais prevalente, e o grau II menos recorrente. Conclusão: as crianças portadoras de paralisia cerebral eram na maioria do sexo masculino e adequadas para a idade gestacional, e que a predominância do grau IV, pode ter ligação com a falta de conhecimento sobre terapias alternativas e imediatas, o que gera um maior prejuízo no desenvolvimento dessas crianças, principalmente ao que se refere à deambulação.

Descritores: Paralisia Cerebral. Destreza Motora. Qualidade de Vida.


Texto completo:

PDF

Referências


Moura ED. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. 2. ed. São Paulo: ArtesMédicas, 2010.

Ketelaar M, Vermeer A, Hart H, Petegem-van Beek E, Helders PJ. Effects of a unctional therapy program on motor abilities of children with cerebral palsy. Phys Ther. 2017;81(9):1534-45.

Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Panamericana de Saúde (OPAS). CIF - Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: USP; 2003.

Rogers JC, Holm MB. Evaluation of areas of Occupation. 10. ed. Philadelphia: Lippncott, 2003.

Oeffinger DJ, Rogers S, Bagley A, Gorton G, Tylkowski MC. Gross Motor Function Classification System and Outcome tools for Assessing Ambulatory Cerebral Palsy: A Multicenter Study. Rev. Med. ChildNeurol. [internet] 2004 [Acesso em: 08 nov. 2014];50(5):311-9. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15132261

Gomes GC, Mota MS, Moreira MAJ, Jung BC, Xavier DM, Silva CD. (Des)preparation of family member for the care of children with chronic illness*. Rev Enferm UFPI [internet]. 2017. [Acesso em 06 nov 2018]; 6(1): 47-53. Disponivel: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/5737/pdf

Russell DJ. Gross Motor Function Measure (GMFM-66 & GMFM-88): User's Manual. 1. ed. London, UK: MacKeith Press, 2002.

Caraviello E Z, Cassefo V, Chamlian TR. Estudo epidemiológico dos pacientes com paralisia cerebral atendidos no Lar Escola São Francisco. Rev. Med. Reabil. São Paulo, [internet] 2006 [Acesso em: 09 nov. 2014.

];25(3):63-67. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_paralisia_cerebral.pdf .

Costa MH C, Costa MABT, Pereira MF. Perfil clínico epidemiológico de pacientes com Paralisia Cerebral assistidos em um centro de Odontologia do Distrito Federal. Com. Ciências Saúde. [internet] 2007 [Acesso em 08 nov. 2014];18(2):129-139. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_paralisia_cerebral.pdf

Pfeifer LI, Silva DBR, Funayama CAR, Santos JL. Classification of cerebral plasy: association between gender, age, motor type, topography and gross motor function. Arq. Neuropsiquiatr. [internet] 2009;67(4):1057-1061. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2009000600018

Yeargin-Allsopp M, Braun KNB, Doernberg NS, Benedict RE, Kirby RS, Durkin MS. Prevalence of cerebral palsy in 8-year old children in three areas of the United States in 2002: A multisite collaboration. Pediatrics, Elk Grove Village, IL, 121, n. 3, p. 547-554, Mar. 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_paralisia_cerebral.pdf Acesso em: 08 out. 2014

Eilers BL, et al. Classroom performance and social factors of children with birthweight of 1.250gr or less: follow-up at 5 to 8 years of age. Pediatrics. [internet] 2003 [Acesso em: 10 nov. 2014]; 77:203-208. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/anp/v61n2A/15691.pdf

Platinga Y, Perdock J, Groot L. Hand Function in low-risk preterm infants: its relation to muscle power regulation. Rev. Med. ChildNeurol. [internet] 2007 [Acesso em: 10 out. 2015]; 39:6-11. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1469-8749.1997.tb08197.x/epdf

Palisano R.J. et al. Content validity of the expanded and revised Gross Motor Function Classification System. Rev. Med. ChildNeurol. [internet] 2008 [Acesso em: 08 nov. 2014];50(10):744-50. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18834387

Fonseca LF. et al. Encefalopatiacrônica (Paralisia Cerebral). In: Fonseca LF, Xavier CC, Pianetti G. Compêndio de NeurologiaInfantil. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Medbook. 2011. p.669-79

Pakula AT, Van NaardenBraun K, Yeargin-Allsopp M. “Cerebral plasy: classificationandepidemiology,” in Cerebral Palsy, Volume 20, Number 3. Editedby Linda J. Michaud, MD, PT. 2017, W.B. SaundersCompany, Philadelphia, PA. p437.




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.7429-33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: