O papel da “Ralé” [Mob] na perspectiva arendtiana

José Luiz de Oliveira

Resumo


Os termo “ralé” possuem significados que incluem o sentimento de ódio. Engendrada no interior do imperialismo e admitida como subproduto da burguesia, a “ralé” possuía a pretensão de poder que aspirava o abandono da democracia. Na perspectiva arendtiana, a aliança do capital com a “ralé” é vista como algo que traz à tona o problema do racismo. É importante tratar da dimensão racista dos movimentos impulsionados pela ralé. Daí, a relevância que o antissemitismo teve diante da oposição da “ralé” e o papel por ela desempenhado na ascensão do movimento totalitário.


Palavras-chave


Imperialismo. Ralé. Racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. The life of the mind. San Diego: A Harvest Book, 1981.

______. Origens do Totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

______. The Origins of Totalitarianism. New York: Schocken Books, 2004.

CORREIA, Hannah Arendt. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2007.

FRANCISCO, Papa. Carta Encíclica Laudato Si. Vaticano: Tipografia Vaticana, 2015.

HORNICH, Daner. A Gênese da Política Imperialista: “A aliança entre a ralé e o capital” e “o pecado original do acúmulo original de capital” na perspectiva de Hannah Arendt. Revista Dialectus, Ano 4, n. 10, p. 248-264, jan./jul. 2017.

LAFER, Celso. Hannah Arendt: Pensamento, Persuasão e Poder. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

SERRANO, Pedro. Democracia sob Ataque. Entrevista concedida a Elisa Marconi e Francisco Bicudo. Revista Giz, 14 de abril de 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2019.

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira. São Paulo: Contracorente, 2018.




DOI: https://doi.org/10.26694/ca.v1i1.11007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço / Email:
Universidade Federal do Piauí, PET-Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela,
CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134  E-mail: nupha.ufpi@gmail.com